terça-feira, 25 de novembro de 2014

JV MANAUS - Campanha contra o HIV/Aids tem como foco o combate ao preconceito



O município de Manaus registrou este ano, de janeiro a novembro, 1.102 casos de HIV/Aids. O número já é maior do que o registrado em 2013, quando foram diagnosticados 1.092 novos casos de HIV, representando um aumento de 31,4% em relação ao ano de 2012.
Os dados são da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), que iniciou esta semana uma série de ações da Campanha de Combate ao HIV/Aids, referente ao Dia Mundial de Luta contra a Aids (1º de dezembro. A data foi instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU) com o objetivo de chamar a atenção para a prevenção à doença e reforçar a solidariedade, a tolerância e a compreensão em relação às pessoas que vivem com o HIV/Aids.
O secretário municipal de Saúde, Homero de Miranda Leão, explica que a data foi instituída também como uma tentativa de superar o preconceito e a discriminação contra pessoas que vivem com Aids. “O preconceito contra a doença é um dos fatores que dificultam as ações de prevenção e de diagnóstico precoce, consequentemente aumentando as chances de transmissão da doença” informa Homero de Miranda Leão.



JV ESPORTES - 2ª COPA DOS RIOS 2014: As seleções Anamã, Fonte Boa, Humaitá e Manaquiri fazem as semifinais nesta quinta-feira


Estádio Municipal Carlos Zamith, será o palco da semifinal da 22ª Copa dos Rios 2014. Foto: Ricardo Oliveira

As seleções de Anamã, Fonte Boa, Humaitá e Manaquiri fazem a grande semifinal da 22ª Copa dos Rios 2014, nesta quinta-feira, 27 de novembro, no Estádio Municipal Carlos Zamith. O nome do estádio deve-se ao Jornalista Carlos Zamith, importante historiador do futebol amazonense que morreu no dia 27 de Julho de 2013.

 Local: Estádio Municipal Carlos Zamith ((localizado na Av. Alameda Cosme Ferreira, Coroado, Zona Leste de Manaus)

1º Jogo: Fonte Boa X Manaquiri
Horário: 18 horas
2º Jogo: Anamã X Humaitá
Horário: 20 horas
Realização: Federação Amazonense de Futebol-FAF

Portal Gazeta Do Amazonas

JAMBO VERDE - Prefeitura de Atalaia do Norte recebe onibus escolar do programa PAR



A Prefeitura de Atalaia do Norte, por meio da Secretaria Municipal de Educação, foi contemplado com um novo ônibus escolar, adquirido através Programa PAR – Caminho da Escola, financiado pelo FNDE, por parte do Ministério da Educação. O novo ônibus escolar, esta estima em  150 mil reais, o primeiro de quatro confirmados para Atalaia do Norte.
O novo veículo, esta equipado com o que há de mais moderno. Além de poltronas confortáveis, o veiculo trás também elevador para acesso de alunos portadores de deficiência.
Para a Secretaria de Educação Maria Edmar Tenazor Ferreira, a aquisição deste ônibus, retrata o esforço da equipe da Semed que já conquistou muito benefícios para o município de Atalaia do Norte,” priorizamos o transporte escolar, e vai favorecer os alunos especiais que estudam na rede municipal de educação”, argumentou a secretaria municipal de educação.
O novo ônibus vai suprir a necessidade da secretaria em oferecer transporte aos alunos das escolas municipais. Que conta apenas com dois ônibus, que sempre estão em manutenção, pelo uso excessivo dos veículos.

JAMBO VERDE - Professora Flavia Melo Cunha lança o livro " Marcas de um Crime invisível"





Nesta terça-feira (25), dia de combate a violência contra as mulheres, acontece no hall Instituto Natureza e Cultura – INC, na cidade de Benjamin Constant, campus da Ufam, o lançamento do livro intitulado Marcas de um Crime invisível, da professora Flavia Melo da Cunha.
No livro Flavia Melo da Cunha relata a experiência de mulheres vitimas de violência domesticas. Fato corriqueiro na região do Alto, com alto índice de violência a mulheres e crianças.
Flavia Melo Cunha mostra que a violência não é o ato final, mas o inicio em que as interlocutoras construíram grandes historias de resistência e grandes transformações. Flavia também percorre o mundo de mulheres que sofreram lesões extremamente graves, Além de possibilitar a seus leitores observar de cada mulher vitima de violência.
“As interlocutoras dessa obra não falam a respeito apenas de uma experiência que marcou suas vidas, mas de como os acontecimentos vividos se situam na esfera pública e, portanto, colocam em jogo os registros de moralidade e a institucionalidade dos dispositivos de controle e normalização das condutas sociais”, disse Flavia Melo Cunha.